Aprofundamento pelo método: Ver/Julgar/Agir

O curso anima não somente os membros da família franciscana, mas também outras pessoas interessadas no ideal franciscano que vivem no mundo inteiro, a enfrentar e integrar os temas mais decisivos do tempo moderno, a partir da visão franciscana e uma experiência em âmbito mundial. O que o curso consegue transmitir, deve também ser praticado na vida. Se nós, em conjunto, procurarmos "fazer boas obras", vamos sentir com mais força que pertencemos todos a uma única família.

Portanto, convém estudar as lições segundo o método "Ver/Julgar/Agir":

Algumas observações suplementares para o uso deste esquema:

lb0 schema

(Para aumentar, clicar na figura)

[1] Nós vemos:

Neste contexto, a palavra nós inclui todas as pessoas que se esforçam para corresponder ao que o CBCMF procura promover:

assumindo suas responsabilidades, avaliando suas possibilidades e conhecendo seus limites;
percebendo a realidade do mundo a nível social, político, cultural, religioso e eclesial;
procurando simultaneamente identificar o plano de Deus, assim como é anunciado na Sagrada Escritura, nos documentos da Igreja e nas fontes franciscanas, como também nas lições do CBCMF, confirmadas pela experiência interior de vida, pela consciência, pelos sinais dos tempos.
No documento Gaudium et Spes, o Concílio Vaticano II nos convida a sermos atentos às vozes do mundo, sobretudo ao grito dos pobres. Os Padres do Concílio se referem ao mundo como a uma única realidade, onde se percebem elementos bons e elementos negativos.

O que é bom, se mostra em ações que alimentam os anseios fundamentais da humanidade, sendo sinais da presença real de Deus no nosso mundo, como por exemplo, o desejo de conhecer e ser conhecido, amar e ser amado, aceitar e ser aceito, estar livre e libertar outros...

O que é negativo se esconde atrás de fatores que são opostos aos desejos da humanidade e que parecem indicar a ausência de Deus.

[2] Nós julgamos:

Para julgar a realidade, convém orientar-se pelas palavras da Bíblia, dos documentos da Igreja e da Ordem. Estes critérios nos capacitam para confrontar a realidade com a Utopia do Reino de Deus e perceber a necessidade das transformações.

Onde encontramos situações negativas, procuramos identificar as causas, refletindo sobre os interesses e as ideologias que os fizeram nascer.

Analisamos quais as situações que gostaríamos de transformar, verificando, ao mesmo tempo, se os nossos projetos de ação correspondem de verdade aos anseios elementares da humanidade.

Recebemos o encargo de tratar criteriosamente tudo aquilo que nos cerca, abrindo-nos a uma larga faixa de critérios para julgar a realidade ou, respetivamente, para admitir opiniões diferentes ou até contrárias às nossas.

O alvo é encontrar a utopia, a situação ideal que queremos alcançar, apesar de saber que é impossível alcançá-la integralmente. Na linguagem da Igreja, isto significa: assumir uma "posição profética". Não se trata somente de abolir situações sociais e econômicas negativas, mas de criar um ambiente onde reina mais alegria, verdade, justiça e paz. Trata-se do anseio de aproximar-se de "um novo céu e uma nova terra".

[3] Nós agimos:

Inteligência e fé nos animam para a ação. Na sua exortação apostólica Evangelii Nuntiandi, o Papa Paulo VI nos recorda que o mundo de hoje necessita de testemunhas, sobretudo daqueles que dão testemunho pelo exemplo vivido ou pelas suas ações. Nós, franciscanos e franciscanas e todos aqueles que desejam seguir o exemplo de Francisco e Clara, podemos mudar muita coisa, se realmente tratarmos de pôr em prática aquilo que é apresentado nas lições do CBCMF. Para que a transformação desejada se realize, devemos estar atentos às inspirações do Espírito Santo, assim como fizeram Francisco e Clara, procurando intensamente o amor a Deus, aos irmãos e à criação inteira, estando nós mesmos sempre prontos à conversão e decididos a perseverar. Procuraremos dar os "pequenos passos" que nos são possíveis, para causar transformações, para que os valores do Reino de Deus se tornam evidentes e possam ser experimentados.